domingo, 27 de dezembro de 2015

Aquele Beijo


Todo mundo tem ou já teve um amor, e com certeza esse amor teve uma história, e toda história tem um início, eu não sou diferente!
...
Primeiro dia de aula na faculdade hoje, que demais!, pensei ao acordar com o som do alarme.
O dia demorou a passar, e quanto mais o tempo passava mais tenso eu ficava. Meu chefe já estava até me dando bronca por causa disso.
— Moço... Moço? — uma mulher disse-me, cutucando o ombro.
— O-oi...? Posso te ajudar? — disse.
— Quais são as novidades do mês, sabe me dizer?
— Cla-claro!... — disse tentando me recompor. — Deixe-me ver... Temos os nacionais mais cogitados, A Guardiã do Fogo, da autora Lívia Fiedler, que é sensacional! Ele está na 3ª edição. Também tem o Meu conto não é de Fadas, da autora Barbara Stefane, que também está na 3ª edição. Ah... Não posso me esquecer de Pra sempre nem sempre é pra sempre, do grande Artur Koogan. Ele está lançando em todo o país, e daqui a dois meses ele virá aqui!
— Hum! Vocês já os têm?
—Temos sim. Estão ali em cima, na ala de destaque dos nacionais.
— Obrigada!
— Por nada! — ela saiu pegando todos os livros, menos o do Artur Koogan, o que achei estranho, mas talvez ela tivesse com dinheiro reservado para uma determinada quantidade de livros. Contudo, não era isso que importava. Na verdade, tudo que conseguia pensar era em como ela era linda! Aquele sorriso, aqueles olhos cor de mel maravilhosos, seus cabelos. Que mu­lher linda!
...
A hora chegou, entrei na sala de aula e me sentei para aguardar o professor.
—Boa noite, pessoal! — o professor disse logo que entrou na sala de aula.
— Boa noite! — um coro bem desordenado ressoou pela sala.
— Meu nome é António, mas podem me chamar de Tonhão, se quiserem. E eu sou o professor de português de vocês!
O professor começou a fazer a chamada para nos conhecer e, quando foi chegando ao final, chamou um nome repetidas vezes, e, quando foi marcar falta para ela, a mulher que eu atendi mais cedo na livraria entrou na sala.
— Rafaela? — perguntou o professor
— Presente! — respondeu ela.
Ela estava deslumbrante, usava uma calça preta justa ao corpo e um moletom cinza um tanto maior que ela. Em seus pés, um all star branco e cinza, e em seu lindo rosto com olhos cor de mel estava um par de óculos preto, modelo geek, igual ao que eu usava na época. Cabelo cacheado, pele clara e mais ou menos um metro e sessenta de altura.
A aula começou e agora aquela minha ansiedade de aprender havia sumido, eu não prestava mais atenção em nada, só em Rafaela. Só nela!
A aula estava acabando e eu tive a brilhante ideia de ir falar com ela.
— O-olá! — disse.
— Oi! Tudo bem?
— Tudo sim. Quanto tempo, né? — rimos.
— É.
A conversa durou mais um pouco, a conversa com Rafa era fácil, não tínhamos dificuldade, era como se tivéssemos uma ligação.
...
Dois meses de faculdade, fazia só dois meses que eu conheci a Rafa e já éramos grandes amigos. Pena que ainda só amigos.
Tive mais uma brilhante ideia no dia vinte e três de agosto de dois mil e dezenove. Data memorável, data na qual conquistei algo que jamais largarei. Rafaela! Fui falar com Rafa depois da aula.
— Rafa.
— Oi, Pe.
— Vamos sair hoje?
— Vamos... Onde?
— Cinema que tal?
— Ok! Tem algum filme em mente?
— Hum... Tem um filme novo que lançou esses dias aí, parece ser legal, tem várias pessoas falando nele.
— Quem é você, Alaska?
— É, esse mesmo.
— Vamos, então.
Demoramos quase meia hora para chegar ao shopping, e, quando chegamos, tentei levar Rafa para conhecer um de meus ídolos, que estava em uma noite de autógrafos na livraria em que eu trabalhava.
— Rafa. Lembra que eu te disse que o Artur ia vir aqui em uma seção de autógrafos?
— Ah... É... Hum... É hoje mesmo? — ela perguntou, demonstrando uma indiferença até então estranha para mim.
— É! Vamos lá ver? — respondi entusiasmado.
— Ah, Pe, temos mesmo que ir? Fica do outro lado do shopping e essas filas de autógrafos são normalmente enormes e corremos o risco de perder o filme.
Não conseguia entender a Rafa. Afinal, o que poderia estar acontecendo com ela? Nas conversas que tínhamos, ela sempre disse amar livros e principalmente de autores nacionais. Por que ela fazia questão de não ir?
— Poxa, Rafa, ele é simplesmente meu autor favorito. Sonho em ser como ele. Não posso perder essa chance.
— Ok, Pe, pode ir lá, vou ficar vendo as lojas. Quando você pegar seu autógrafo, me manda uma mensagem que nos encontramos na praça de alimentação, ok?
— Ok.
Chegando à livraria, dei meu jeito e passei na frente para não atrasar o cinema com Rafa.
— Opa, Artur, beleza cara?
— Beleza, cara. Você quer que eu autografe pra ti?
— Ah, é mesmo. Toma
— Qual seu nome?
— Pedro. Esse da direita você coloca para Rafa, tudo bem?
— Tudo. Coincidência cara, a mulher que me inspirou a escrever essa história se chama Rafaela.
— É mesmo? Qual o nome inteiro dela?
— Rafaela dos Santos. Por quê?
— Nada, não. É que essa também se chama Rafaela dos Santos.
Depois que peguei meu autógrafo, saí da loja e comecei a refletir sobre o que o Artur disse e liguei para Rafa.
— Rafa?
— Oi?
— Você já conhecia o Artur, não é?
— Conhecia.
— Por que você não queria vir se o livro dele foi escrito em sua homenagem?
Pera aí, já respondo.
Ela desligou o celular e cinco minutos depois estava na minha frente. Ela mal abriu a boca e o Artur veio na nossa direção quando a viu.
— Rafa! — Artur disse ignorando totalmente minha presença e simplesmente a beijou.
— Artur! Han? Não faça mais isso! Não somos mais nada um do outro além de amigos.
— Ah... Desculpa, foi a emoção. Você veio ao lançamento do livro que eu escrevi em sua homenagem!
— Não vim pra isso.
—Então pra quê?
— Não interessa!
—Nossa, Rafa, calma. Mas mesmo assim eu te amo. E acho que nunca mais amarei ninguém.
— Artur... Siga sua vida. Legal você ter publicado um livro sobre nós e tal, mas não te amo mais.
— Desculpa, Rafa, não fiz aquilo com você na maldade, eu não estava pensando com a cabeça certa Rafa, me perdoa.
— Que saco, Artur, vai à merda! Não fez na maldade o caramba! Vamos, Pe, não quero mais ficar aqui.
— Ok... —disse sem entender nada do que acabara de acontecer.
Saímos de lá calados, continuamos assim até um pouco antes de chegar à bilheteria.
— Rafa. O que foi aquilo?
— Nada, Pe, chegamos a ser noivos algum tempo atrás, só que, no dia do meu aniversário de vinte anos, eu o vi na cama com a minha irmã. Nem gosto de falar disso.
Naquele momento não sabia como reagir. Não queria culpar o Artur, afinal, ele deve ter tido os motivos dele e, poxa, ele era meu ídolo. Mas não podia ficar contra a Rafa, não agora. Era melhor evitar esse assunto...
— Tudo bem, vamos parar com esse papo.
O filme já tinha começado quando chegamos. Sentamos na fileira de cima. Rafa estava ao meu lado, conversávamos como se não houvesse ninguém ao redor. De repente, sem querer, tocamos nossas mãos, e trocamos um olhar, um olhar que pensei que ela nunca me daria, um olhar apaixonado! Cogitei por um momento em fazer o que queria e pensei: Dane-se se meu maior ídolo a ama. Eu também a amo! Eu a beijei. Beijei e ela retribuiu. Meu coração batia tão rápido, meus pensamentos só iam para o mesmo lugar, aquele beijo, aquele beijo que demorou um bom tempo, aquele beijo imprevisível que me fez ter certeza, ter certeza de que eu a amava, que eu a amo!
— Rafa... — disse.
— Shhh... — falou ela, colocando os dedos em meus lábios, e novamente me beijando.
Que sensação maravilhosa!
...
A minha história de amor começou aí, com um beijo, um beijo apaixonante, um beijo de cujos detalhes me lembro ainda hoje, aquele beijo que me deu a certeza de que eu amava a Rafaela, aquele beijo que uniu para sempre nós dois. Aquele beijo! E graças a ele pude publicar o meu romance, a minha história, o meu livro sobre a Rafaela que amei. E adivinha quem escreveu o prefácio?
RaphaTV
RaphaTV

Raphael Sulivã nasceu em Taubaté-SP em 26 de Dezembro de 2000. Sempre foi uma criança muito criativa, gostava de tudo, e principalmente de Imaginar. Um dia resolveu escever um poema, e desde então não parou mais...

10 comentários:

  1. Escreve muito bem! Tem futuro! Parabéns CB!! 👏👏

    ResponderExcluir
  2. Oi! Tudo bom?
    Desculpa lindo, mas eu não gostei desse conto, ou, bem, da sua escrita. Não me leve a mal, sério, o que eu quero é só fazer uma crítica construtiva!
    Você teve uma boa ideia para esse conto, mas escreve de uma forma muito afobada, não deixa as coisas se desenrolarem naturalmente, entende? Tudo acontece muito rápido, muito facilmente. Os personagens ficaram superficiais, não dá para entender direito as emoções deles e as vezes até o que fazem. Minha dica é: escreva com mais calma. Leve o tempo que precisar para desenvolver a história e os personagens, se quiser levar isso adiante. E, talvez, não deixe os diálogos tão coloquiais, fica um pouco esquisto.
    Espero que você leve na boa mesmo, tá? Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Tessa? Tudo bem sim, e você?
      Obrigado pelo comentário... E além disso, obrigado pela dica!

      Frase: "O Saber consiste em aprender e a sabedoria em aplicar esse saber... Logo, sábio não é aquele que sabe muito, mas quem aplica o que sabe." ~ Renato Araújo

      ***********************************************************************************

      Obrigado pelo comentário! Espero vê-la mais e mais por aqui. até a próxima!

      Excluir
  3. Raphael seu blog é sensacional pois és um jovem escritor e isso é admirável ;) gostei do conto,já passei por está fase "aquele Beijo" e ainda vivo ela até hoje com o mesmo moço heheh,desejo muito crescimento e sucesso no blog.

    http://cutethingsjurosas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito Obrigado Ju!!! rs

      ***********************************************************************************

      Obrigado pelo comentário! Espero vê-la mais e mais por aqui. até a próxima!

      Excluir
  4. Meu Deus, que contos maravilhosos! Você leva jeito. Continue assim!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitooooo Obrigadoooo Flaviaaaa!

      ***********************************************************************************

      Obrigado pelo comentário! Espero vê-la mais e mais por aqui. até a próxima!

      Excluir
  5. Nossa ! Eu amei ♥♥♥ você escreve muito bem, piá !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito Obrigadooooooo!

      ***********************************************************************************

      Obrigado pelo comentário! Espero vê-la mais e mais por aqui. até a próxima!

      Excluir